Vídeo Laringoscópio: não perca nenhum detalhe

03/06/2020 13:33:51

Este exame tem a finalidade de avaliar faringe e principalmente a laringe onde estão localizadas estruturas anatômicas como as pregas vocais. Pode ser realizado utilizando-se um fibroscópio flexível com cerca de 2,8mm de diâmetro através da cavidade nasal ou através de um fibroscópio rígido de 70 graus introduzido pela boca.

Atualmente o uso de uma microcâmera acoplada aos aparelhos e um monitor de vídeo permite ao médico gravar o exame ou colher fotos, permitindo assim análises posteriores.

Costuma ser um exame rápido, bem tolerado pelo paciente e que permite ao médico grande quantidade de informações, fundamentais para chegar a um diagnóstico preciso.

O exame é realizado no próprio consultório, em alguns casos pode ser necessário a utilização de spray anestésico tópico e uso de vasoconstritores nasais para maior conforto do procedimento. Não há necessidade de preparo antes do procedimento ou jejum.

Quem pode fazer o exame

Pode ser realizado em qualquer faixa etária, porém uma observação muito importante se faz com a faixa pediátrica; em crianças muito pequenas que não compreendem o procedimento ou que possa estar associado a biópsias ou remoção de corpos estranho pode ser necessário à sua realização em ambiente hospitalar com realização de sedação pelo anestesista.

Consiste no uso de anestésico inalatório para a criança “dormir” durante o procedimento, evitando assim qualquer trauma. Nos demais casos o exame é realizado com a criança sentada no colo dos pais, que podem realizar a contenção delicada dos braços e cabeça.

Antes da tecnologia chegar para auxiliar os médicos no diagnóstico e no tratamento dos pacientes, o exame dessa região era realizado pela visualização através de um espelhinho introduzido na faringe (garganta), com a iluminação proveniente de um espelho frontal. Certamente, hoje, mais detalhes podem ser verificados através da videolaringoscopia e, muitos diagnósticos que poderiam passar despercebidos, podem ser realizados.

Fonte: otorrinorp

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
Categorias: