Instrumentais Cirúrgicos: Conceito, funcionalidade e aplicação

07/01/2022 09:22:41

Instrumentais Cirúrgicos: Conceito, funcionalidade e aplicação

O procedimento cirúrgico é uma etapa fundamental no processo de desenvolvimento da saúde dos pacientes, pois requer muita atenção e cuidado no que diz respeito à segurança e bem estar de todos os envolvidos nas tarefas cirúrgicas.

Quando um determinado paciente necessita de uma intervenção cirúrgica, então, é preciso de ainda mais atenção para que a operação seja realizada sem complicações e dentro do esperado. Isso porque uma cirurgia médica é sempre um procedimento complexo e delicado, que exige a utilização dos instrumentos corretos.

Dentre tantos equipamentos e aparelhos médicos usados em cirurgias, temos os instrumentais cirúrgicos, que são ferramentas manuais utilizadas por profissionais da saúde para realizar tarefas cirúrgicas, retirada de pontos, exames, tratamentos e curativos. De modo geral, os instrumentais são classificados em:



I. Comuns: São aquelas ferramentas utilizadas em qualquer procedimento cirúrgico em tempos fundamentais como a diérese, hemostasia e síntese

II. Especiais: São aparelhos utilizados em cirurgias específicas e em alguns tempos durante a operação

Tempos Cirúrgicos

São procedimentos consecutivos realizados desde o início até o término da cirurgia, onde as intervenções cirúrgicas são realizadas em quatro tempos básicos, são eles:

  • Diérese: Divisão dos tecidos por meios de ferramentas cortantes que possibilitam acesso a região a ser operada
  • Hemostasia: Consiste nas manobras para interrupção do sangramento ocasionado pela diérese.
  • Exérese: Voltado para o objetivo da operação, onde acontece a cirurgia propriamente dita.
  • Síntese: Passo final, onde acontece a união dos tecidos através da sutura

De acordo com a utilização e levando em consideração as etapas da cirurgia, temos os instrumentais específicos para cada tempo cirúrgico, são eles:

Instrumental para Diérese 

I. Tesoura metzenbaum - Tesoura delicada para corte de tecidos, ainda que seja parecida com a Mayo, a tesoura Metzenbaum é bem mais leve e conta com alças mais longas.

II. Tesoura de Mayo - Serve para cortar materiais orgânicos e materiais como gaze, fios, borracha e plástico, podendo ser reta ou curva

III. Bisturi -  indicado para fazer incisões na pele e nos tecidos, o bisturi é um instrumento de lâmina curta e cortante, onde seu cabo contém uma extremidade destinada à fixação de lâminas descartáveis

I.                              II.                        III.

Instrumento de preensão

Pinça anatômica com e sem dente - são destinadas a agarrar tecidos e fazer suturas

Pinça Adson com e sem dente - Indicada para manipulação de tecidos delicados

Instrumento para hemostasia

Pinça Hemostática KOCHER reta e curva - Para pinçamentos transversais em tecidos ou pinçamento pela ponta para tração de aponeurose (membrana que envolve os músculos)

Pinça Hemostática de Kelly reta e curva - Usadas para vasos, fios grossos e pinçamentos pela ponta de fios grosseiros

Pinça Hemostática de Crile reta e curva - Cobre totalmente a zona destinada a preensão

Pinça de Halsted - Também comumente chamada de pinça mosquito pelo seu tamanho e delicadeza

Instrumento de exposição

São os afastadores, instrumentos mecânicos para afastar os tecidos, expondo assim, a parte interna a ser operada. Os afastadores mais comuns são: Farabeuf, Langenbeck, Doyen, Volkmann. Além dos afastadores auto estáticos, constituídos por: Afastador de Gosset, Balfour e Finochietto.

Instrumento de Síntese: Aqueles destinados para o fechamento da ferida cirúrgica, como: agulhas, porta agulhas, grampos, fitas adesivas de pele e principalmente os fios cirúrgicos. 

Agora que você sabe quais são os instrumentos cirúrgicos e onde cada um deles é aplicado, que tal descobrir quais são os mais básicos para montar uma sala de operação?

Bisturis - Pode ser apresentado em 4 modelos, são eles:

I. Bisturi de argônio: conduz corrente elétrica até a área operada para cauterizar os tecidos cortados e permitir a coagulação. Ele utiliza gás de argônio ionizado, com emissão contínua de faíscas

II. Bisturi bipolar: ajuda a equipe médica no momento de realizar hemostasia dos vasos sanguíneos e evitar uma possível hemorragia

III. Bisturi elétrico: é o modelo mais comum, que também serve para coagular o sangue no momento da cirurgia. Porém, ele tem maior capacidade de dissecar a pele e os tecidos

IV. Bisturi harmônico: mesmo com a corrente elétrica, o bisturi harmônico não repassa a energia para o resto do corpo e a potência pode ser modelada a qualquer momento

Material de Anestesia - É um sistema que gerencia gases anestésicos e proporciona uma monitoração pela equipe médica no paciente durante a operação. Dos instrumentos cirúrgicos, ele é o mais indicado para garantir que o paciente não tenha incômodos durante o procedimento.

Mesa e bandeja cirúrgica - É a mesa de operação onde o paciente se acomoda durante o procedimento, a bandeja cirúrgica, por sua vez, é utilizada para transporte e acomodação dos utensílios médicos e instrumentos que serão utilizados.

Focos cirúrgicos - Existem dois tipos de focos cirúrgicos: o de teto — destinado a iluminar todo o campo de concentração da cirurgia — e o portátil, que expõe um foco mais específico, direcionado a um ponto onde a cirurgia está sendo feita. Neste último, a potência é menor por não necessitar de tanta amplitude para ver os detalhes no geral.

Tesouras Cirúrgicas - Geralmente feita de aço inoxidável, que é fácil de ser desinfetado e dura muito em comparação aos demais materiais.

O Grupo Stra, marca modelo do Sul do Brasil, na produção e importação de produtos hospitalares, segue em sua missão de trazer os mais inovadores e tecnológicos produtos na área da saúde para o Brasil, e oferece modelos de excelente padrão da marca ABC, afinal, essas ferramentas são indispensáveis no processo de recuperação de um paciente.

 

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
Categorias: