Bisturi Elétrico, o que é, e como funciona

19/12/2019 15:26:34

Bisturi Elétrico (eletrônico / eletrocirúrgico), é um aparelho utilizado em cirurgias denominadas de eletrocirurgia ou diatermia, pode ser usado em praticamente todas as especialidades cirúrgicas.

São encontrados em procedimentos dermatológicos, ginecológicos, cardíacos, ocular, maxilo-facial, ortopédicos, urológicos, neurocirúrgicos, gerais e até mesmo em certos procedimentos odontológicos.

Eletrocirurgia

Eletrocirurgia é um termo usado para descrever múltiplas modalidades que usam eletricidade para causar destruição térmica do tecido através da desidratação, coagulação ou vaporização. Os dois tipos de eletrocirurgia mais comumente utilizados são eletrocirurgia de alta frequência e eletrocautério.

A eletrocirurgia de alta frequência refere-se a métodos diferentes: eletrocoagulação (oclusão dos vasos), eletrodissecação (separação tecidual) e eletrofulguração (coagulação superficial). Estes métodos envolvem corrente alternada de alta frequência, que é convertida em calor por resistência à medida que este passa através do tecido.

Na eletrocirurgia, a corrente elétrica é produzida por um gerador. A corrente elétrica chega ao corpo do paciente através de um eletrodo ativo que agirá no tecido biológico alvo. Está corrente irá encontrar a saída através do eletrodo neutro, que é a placa colocada junto ao corpo deste paciente.

Quando a corrente elétrica encontra a resistência do tecido biológico, ela se transforma em calor. Através deste calor produzido é que serão definidos os efeitos terapêuticos, que podem ser de corte ou a coagulação.

A energia térmica de alta frequência produzida  aquecerá a ponta metálica do eletrodo positivo, passando através do corpo do paciente, sendo eliminada por meio da placa dispersiva. Esta placa estará direta ou indiretamente ligada ao fio-terra.

Se o aquecimento for lento e fraco, o calor produzido dentro da célula irá provocar a evaporação de água e a diminuição do volume celular, constituindo o efeito terapêutico da coagulação.

Já por sua vez, quando o aquecimento acontece de forma rápida e com vigor, ocorrerá a explosão da membrana celular, com evaporação do conteúdo intracelular, constituindo desta forma o efeito terapêutico de corte.

Sistemas Utilizados pelo Bisturi Elétrico

 Sistema Monopolar

Na técnica monopolar de cirurgia de alta frequência o cirurgião aplica a corrente elétrica aos tecidos através de uma pinça (eletrodo denominado ativo), a energia irá entrar no corpo do paciente podendo ser usado para corte do tecido e a coagulação.

A corrente chega ao tecido a ser cortado ou coagulado através do eletrodo ativo, saindo dos tecidos biológicos através da placa Neutro (eletrodo dispersivo). A placa é fixada em qualquer parte do corpo do paciente.

A eletrocirurgia monopolar é bem utilizada por conta da sua versatilidade e eficácia.

Sistema Bipolar

A eletrocirurgia pelo sistema Bipolar, trabalha com tensões mais baixas empregando menos energia. Este sistema faz que o Bisturi Elétrico, tenha sua capacidade limitada para cortar e coagular grandes áreas de sangramento, excetuando os dispositivos concebidos para funcionar em fluídos.

Com a eletrocirurgia bipolar, diminui-se significativamente o risco de queimaduras no paciente. Neste sistema a corrente elétrica irá se mover pelo tecido através das pinças. Isso porque o caminho da corrente elétrica é confinado ao tecido entre os dois eletrodos, eliminando também o risco de desvio de corrente.

Modalidades de eletrocirurgia com o Bisturi Elétrico

Eletrocoagulação

É a oclusão dos vasos por meio da solidificação das substancias proteicas e da retração dos tecidos. Usa-se formas de onda com potência média, gerando calor suficiente para a vaporização, se utiliza da ação coagulante da corrente, empregada para a destruição de tecidos patológicos.

Corte / Dissecção

Separação tecidual, consiste na secção (corte) dos tecidos. Há o aquecimento dos fluidos celulares de 37º a 100º se fazendo de forma tão rápida que a pressão do vapor resultante leva à explosão das membranas celulares.

Fulguração

Coagulação superficial, sendo indicado para remoção de proliferações celulares cutâneas e remoção de manchas. (Faísca elétrica sobre a lesão que, fulturada, morre e é eliminada em alguns dias).

Hemostasia

Processo no qual se impede, detém ou previne o sangramento. Realizada no decorrer da intervenção cirúrgica.

A prevenção de danos não intencionais

Para o uso cirúrgico de alta energia o sistema Monopolar depende de um bom contato elétrico entre uma grande área do corpo. Geralmente quando possível, esse contato é feito nas costas do paciente. É usado o eletrodo dispersivo de retorno (placa).

Se o contato com o eletrodo de retorno não for satisfatório, queimaduras graves (3º grau) podem ocorrer. Poderá ocorrer outra queimadura,  quando um paciente entra em contato com objetos de metal que servem como um involuntário caminho de fuga (terra).

Para evitar queimaduras não intencionais, toda a pele deverá ser limpa e um gel condutor é usado para melhorar o contato com o eletrodo de retorno. Outro item que deverá ser providenciado é o aterramento elétrico do local, onde será feito o procedimento.

A utilização da opção bipolar não requer a colocação de um eletrodo de retorno, uma vez que a corrente passa apenas entre os dentes da pinça ou outro dispositivo de saída bipolar.

Vantagens e Desvantagens

Incisões rápidas e precisas são algumas das vantagens na utilização de um Bisturi Elétrico. Desnecessidade de exercer pressão demasiada sobre os tecidos. E outra vantagem é a grande facilidade na remoção de tecidos hipertróficos.

Pode se dizer que um das desvantagens é a necessidade de aprendizado detalhado para utilização de uma tecnica precisa e exta de instrumentação. Treinamento minucioso do operador, com atenção especial na corrente de energia durante o emprego do aparelho. Isso porque as variações de intensidade na corrente elétrica podem acarretar problemas técnicos.

O Bisturi Elétrico, não pode ser usado na presença de elementos inflamáveis, explosivos e determinados agentes anestésicos, devido ao risco de incêndios e explosões.

O desprendimento de odor desagradável e, eventualmente, fumaça, que em alguns estudos consideram ser cancerígenas e prejudiciais aos operadores do Bisturi Elétrico é outra desvantagem.

Indicações e Contra-indicações

As indicações básicas para eletrocirurgia são os tratamentos de lesões benignas e malignas.

As benigmas destaca-se as Verrugas Quelóides, Molusco contagioso (tumores cutâneos claros que surgem na pele), Queratose actínia (lesões vermelhas escamativas no rosto, orelhas, couro cabeludo), Cistos Melanoses actínicas (manchas de sol).

Quanto as malignas teremos Epiteliomas basocelular (câncer maligno da pele), Espinocelulares (tumor maligno em diversos órgãos: bexiga, pulmões, próstata).

Na rotina dermatológica, é um recurso muito utilizado.

Já as contra indicações vai para utilização em pacientes portadores de marca-passos cardíacos. A corrente de alta frequência pode desativar marca-passo não protegido, o que não é mais comum.

Fonte: fhbmedical

Compartilhe:
  • Facebook
  • Twitter
  • Google+
Categorias: